João Pessoa 24.13ºC
Campina Grande 21.9ºC
Patos 21.88ºC
IBOVESPA 127411.55
Euro 5.5664
Dólar 5.1442
Peso 0.0058
Yuan 0.7101
Análise: olhos para a rejeição de Pedro e João
22/10/2022 / 10:04
Compartilhe:

Apos a divulgação da pesquisa IPEC/TV Cabo Branco, sobram conjecturas sobre a reta final das eleições na Paraíba.

O resultados mostram uma surpreendente subida de Pedro que praticamente dobrou os votos do primeiro para o segundo turno numa evolução que torna o resultado imprevisível.

A grande dúvida agora é se essa curva ascendente de Pedro se encontrará com a de João até o dia 30 de outubro.

Quando as curvas vão se aproximando, diz-se no jargão das pesquisas eleitorais que “a boca do jacaré está se fechando”

É o que parece estar acontecendo na disputa entre o atual governador e o jovem Pedro.

Aliados de João torcem para que esse jacaré seja um tanto preguiçoso e vá fechando a boca devagarinho, pontinho a pontinho.

No momento, já existe um empate técnico no limite da margem de erro, mostrando que a apuração pode se tornar um teste para cardíacos.

Faltando apenas uma semana para o dia D, percebe-se que a estratégia de neutralidade de Pedro Cunha Lima foi acertada. Impediu que Lula levasse a maioria dos votos de Veneziano para João e abocanhou quase que integralmente os simpatizantes da direita principalmente na grande João Pessoa.

Os números mostram incorporação do eleitorado de Nilvan Ferreira à campanha do tucano. Na Capital, Pedro tem 52% das intenções de voto, contra 38% de João Azevêdo. É um dado expressivo que explica o fato de Pedro ter revertido grande parte dos 340 mil votos de maioria que João obteve de vantagem no primeiro turno. Entre os evangélicos, o índice do tucano chega a 57%, diante de 32% do socialista.

Não foi por acaso que o governador anunciou nesta sexta-feira o apoio do Pastor Zé Carlos da Assembleia de Deus na Capital. Seu programa de TV também mostrou foco total na Capital. É na região metropolitana de João Pessoa onde mora o perigo.

Um outro dado que merece atenção especial é a rejeição. João Azevêdo tem 34% e Pedro Cunha Lima aparece com 27%, uma diferença de 7%. Nesta altura do campeonato é isso que pode ajudar a decidir o pleito.

Resumo: Pedro tem colhido os frutos por não ter cometido erros que comprometessem seu desempenho até aqui. João, que esperava um jogo mais fácil neste segundo turno também não está parado.

Apareceu ontem tocando guitarra na TV em seu programa eleitoral.

Como diria Tim Maia, vale tudo nesta reta final.